Voltar ao topo

Patrimônio arqueológico é identificado em Santa Catarina

Nos anos de 2020 e 2021 a Preservar Arqueologia e Meio Ambiente realizou pesquisas arqueológicas no Oeste de Santa Catarina. O levantamento arqueológico realizado identificou e cadastrou no IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) mais 5 sítios e 19 ocorrências arqueológicas na região.

Os sítios arqueológicos identificados pela equipe da Preservar estão relacionados ao contexto das populações indígenas pré-coloniais que possuíam a tecnologia de produção de vasilhames cerâmicos e dominavam o cultivo de plantas para a subsistência (agricultura), mas também produziam ferramentas de pedra lascada e polida para as atividades diárias. Estes indígenas chegaram na região Oeste de Santa Catarina por volta de 2.500 A.P. (antes do presente), ou seja, século VI A.C. Estes são chamados pela arqueologia de Itararé/Taquara. Estes são reconhecidos por seu conjunto de vasilhames “relativamente pequenos com paredes finas e coloração escura” (ARAÚJO, 2007: 10).

Dois sítios arqueológicos (Lajeado Salto do Reduto e Lajeado Perau das Flores) foram caracterizados como acampamentos, utilizados muito provavelmente por um curto período de tempo, considerando a densidade de material arqueológico e também sua localização, próxima ao corredor de mobilidade entre os campos gerais e vales dos grandes rios.

O outro sítio arqueológico, denominado Vista do Uruguai, foi caracterizado como uma área de produção (oficina) de ferramentas de pedra lascada e polida, onde foram identificados materiais de rocha usados para lascamento e outros também finalizados. O local também pode ter sido utilizado para o descarne da caça e as ferramentas foram produzidas no momento do uso e depois descartadas no local.

Os outros dois sítios arqueológicos identificados Patamar do Poletto e Foz da Antinha podem ser caracterizados como acampamentos de caça e pesca pela localização destes, entretanto não foi possível identificar com precisão se foram ocupados por caçadores-coletores ou populações ceramistas devido a ausência de fragmentos cerâmicos. Porém os materiais líticos podem ter sido produzidos por ceramistas. Para tal definição as pesquisas devem ser aprofundadas.

Já as 19 ocorrências de materiais arqueológicos localizados são representativas das atividades de caça, coleta de água e frutos e atividades agrícolas desenvolvidas em seu território tanto por grupos caçadores como ceramistas.

Os sítios arqueológicos identificados foram cercados com piquetes pintados e sinalizados com placa indicativa do IPHAN visando a proteção e a preservação destes.


Link para o artigo completo: